top of page

Saori e Athena: Cavaleiros, Amor e Justiça — Especial Cavaleiros do Zodíaco: Parte 1 [Mangá]

Saori Kido, de Os Cavaleiros do Zodíaco

Dentro de cada obra e seus universos, existem personagens que se destacam na comunidade, seja parte do elenco principal ou não. No entanto, como bem sabemos, independente da obra, há personagens que são odiados ou até mesmo injustiçados devido a fragilidades percebidas pelo leitor ou, frequentemente em adaptações, devido a uma descaracterização por parte da representação, muitas vezes infiel à visão original do personagem.

 

Infelizmente, grande parte desses casos envolve personagens femininas, que acabam por ser diminuídas em relação ao que realmente são. Se analisarmos a mídia, mesmo superficialmente e fazendo uma comparação direta entre a obra e sua adaptação, encontramos vários exemplos de desconstrução, seja para criar piadas, como acontece com Sakura Haruno em Naruto, ou, nos piores casos, para simplificar a personagem, como acontece com Moka Akashiya em Rosario to Vampire na adaptação em anime.


Saori Kido, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

Uma visão muito difundida sobre a personagem é a de que ela serve apenas como uma princesa indefesa, sem propósito, ao ponto de memes, ofensas (tanto para a personagem quanto para o autor) e injúrias, que não serão reproduzidas aqui, serem feitas das piores formas possíveis. Essa visão da personagem surge muito no início da adaptação, que coloca a personagem em situações de resgate. No entanto, afirmar que a adaptação explorava a personagem em sua totalidade seria uma injustiça, pois, mesmo considerando o todo, pouco se destaca em relação a aspectos mais profundos da personagem. Mesmo com as diversas modificações na obra, é mais fácil argumentar que Shun e Seiya foram mais alterados que Saori. Então, por que ela é tão desgostada pela comunidade? A resposta é simples: uma falta de compreensão da personagem.

Saga de Gêmeos, de Os Cavaleiros do Zodíaco

Saori Kido, a reencarnação de Athena, não cresceu onde deveria. Sua vida deveria ter sido moldada dentro do Santuário, onde aprenderia, pelas mãos do antigo Grande Mestre, sua verdadeira natureza como deusa. No entanto, sua vida foi drasticamente alterada quando Saga de Gêmeos, influenciado pelo Lemur, matou o antigo Grande Mestre e tentou assassinar sua deusa, o que resultaria na morte de Aiolos de Sagitário. Após esses eventos, Saori foi entregue nas mãos de Mitsumasa Kido, um homem que teve mais de cem filhos e os enviou para várias partes do mundo com o objetivo de se tornarem cavaleiros para proteger aquela que deveria ser sua deusa e razão de viver.


Nas mãos de Mitsumasa, Saori cresceu como uma princesa mimada, onde tudo que queria lhe era dado, e maltratava aqueles que se tornariam seus leais protetores. No entanto, reduzir Saori Kido a apenas isso seria um erro, e é sobre isso que vamos discutir aqui.

 

Saori Kido, de Os Cavaleiros do Zodíaco

Saori Kido, a menina, é apresentada logo no terceiro capítulo da obra como responsável pelo torneio que trazia público de todo o mundo, a Guerra Galáctica. Seu objetivo inicial era homenagear seu avô, que gostava de artes marciais e investia em diversas competições ao redor do mundo. No entanto, o torneio atual se tornou algo nunca visto pelos humanos, ao utilizar os poucos órfãos sobreviventes enviados por Mitsumasa, que conseguiram se consagrar como cavaleiros de Athena, como centro das atenções. Isso não deveria acontecer, já que os cavaleiros não deveriam lutar por razões pessoais ou serem colocados como centro das atenções de uma empresa multimilionária.


No entanto, nem todos os participantes estavam ali para se mostrar; alguns tinham suas razões pessoais, enquanto outros viam aquilo como uma palhaçada, como Seiya e Hyoga mencionam; era um circo. Saori não se importava verdadeiramente com as vontades dos outros, e neste momento nos é apresentada uma personagem que chegaria até a usar chantagem emocional para fazer alguém participar de seu torneio. Quando o pior aconteceu e Ikki, junto de seus cavaleiros negros, roubou a Armadura de Ouro de Sagitário, a resposta de Seiya ao receber a ordem de buscar a armadura não foi nada positiva.


Iki de Fênix, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

Com partes da armadura de ouro roubadas, Saori afirmou que o torneio não poderia continuar sem ela e que era dever dos cavaleiros de bronze resgatá-la. Se este dever ao qual ela se refere é o dever como cavaleiros ou o dever para os Kido, é algo que pode ser discutido. Saori já tinha conhecimento de ser deusa, como é revelado logo após os eventos com os cavaleiros negros e de prata. Ela afirmou ser Athena e que eles deveriam, por conta disso, servir a mesma, algo que todos no recinto discordam devido a seus problemas pessoais com seu avô.


Saori Kido, de Os Cavaleiros do Zodíaco

A raiva dos personagens não era apenas porque Saori foi uma garota horrível na infância, batendo nas outras crianças e as tratando como animais de estimação, mas também pelo fato de o sangue daquele que eles mais odiavam correr em suas veias: Mitsumasa Kido. Mesmo que eles já tivessem superado um pouco dessa raiva, como descrito no final da primeira parte dos eventos contra os cavaleiros de prata, não era algo que seria apagado facilmente.


Seiya, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

Revelar ser a deusa deles e agir como sempre agiu não mudaria nada; mesmo tendo um cosmo pacífico e contando a verdade sobre sua história, suas ações e comunicação ainda pesavam. Saori poderia ser aquela que dizia ser, mas continuava a agir como uma menina de treze anos mimada, que no primeiro confronto afirmava que não precisava de "folgados" ao seu lado e que lutaria sozinha para proteger o mundo. Neste momento, fica claro uma imaturidade da personagem; ela usava sua posição como um motivo para ser respeitada, sua autoridade como meio de ser a voz da razão e, pior, usava de seu cosmo para amedrontar e persuadir os outros, como visto no embate contra Jamian de Corvo.

 

Saori nunca recebeu treinamento com o cosmo; ela o utilizava por instinto, e suas ações partiam da elevação do mesmo e seu uso para contra-atacar seus adversários. A personagem ainda era imatura não apenas em personalidade, mas também em como utilizava seus poderes. No entanto, é neste mesmo embate com Jamian que um amor protetivo surge. Depois de Seiya salvá-la, a personagem se compromete a cuidar dele, pois, como ela diz, "sem dúvida, é um verdadeiro cavaleiro".


Saori e Seiya, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

Existe algo estranho aqui que, como dito anteriormente, o dever que Saori menciona é pelos Kido ou por Athena? Esta luta é interessante porque começa a demonstrar que Saori está, de certa forma, mudando não apenas em como fala com os outros, mas também em como começa a se importar com eles de uma forma diferente de antes. Quanto mais Saori utiliza seu cosmo, mais ela evolui como se estivesse se unindo à sua verdadeira natureza. Dessa forma, quando ela interrompe a luta entre Aiolia e Seiya e este jura lealdade a ela, é quando observamos este ponto de virada; a personagem estava pronta para enfrentar o Grande Mestre, pois este era o destino que ela deveria encarar. Mesmo com Seiya dizendo que ela poderia viver uma vida normal, não era aquilo para o que ela nasceu.


Saori Kido, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

No início do popular arco das Doze Casas, Saori é atingida pela flecha de Tremmy, que fica cravada em seu peito, prestes a perfurar seu coração nas próximas doze horas. Neste momento, a corrida contra o tempo por parte dos cavaleiros de bronze se inicia, e os questionamentos finais sobre Saori ser realmente Athena começam a desaparecer. Marin já havia avisado a Seiya para proteger a deusa, mas ela realmente era Kido? Mesmo com provas como seu cosmo poderoso e pacífico, os personagens ainda não estavam convencidos.

 

Saori até mesmo aparece para Shiryu no Yomotsu e o incentiva a vencer sua luta ao mandar sua alma de volta para o corpo, mas a personagem ainda é chamada de Senhorita Saori tanto pelo dragão quanto por Naichi quando os outros cavaleiros de bronze aparecem para protegê-la. Porém, é logo após isso que todas as dúvidas acabam ao chegar na casa onde todos choram: Sagitário.


Aiolos, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

O testamento de Aiolos não confirma apenas Saori como Athena, mas é uma prova de amor e lealdade à sua deusa. Parte do espírito de Aioros vivia em sua armadura, e naquele momento ele confiou a pessoa que ele mais amava nas mãos dos jovens em quem ele confiava. É neste momento que eles choram, entendem o que é ser um cavaleiro e o amor que somente Athena pode proporcionar, um amor capaz de tornar o mais honesto sacrifício uma chave que demonstra os erros que cometeu em vida, como no embate contra Shura. É o amor que diz que a lealdade à força e justiça do mais forte era errônea para Máscara da Morte, e é com esse amor que ela chora até por aquele que a tentou matar e trouxe tanto sofrimento e mortes para seu exército.


Saori e Seiya, de Os Cavaleiros do Zodíaco

 

O perdão e amor de Athena eram únicos, e o final com todos enviando seus cosmos para Seiya em nome da justiça deixa isso evidente. Naquele momento, até mesmo as rivalidades e objetivos pessoais se foram momentaneamente, e agora todos eram Cavaleiros de Athena, o que se confirma com o encerramento desse arco, com Mu e a própria Saori afirmando que seu momento como garota acabou e agora ela também deveria lutar.


Os Cavaleiros do Zodíaco

Essa foi a primeira parte do nosso Especial Cavaleiros do Zodíaco! No próximo texto, continuaremos falando sobre o desenvolvimento de Saori na saga de Poseidon, então fique ligado para não perder o próximo capítulo!


Texto editado e revisado por Gabriel Morais de Oliveira (@GabrielHyliano).




E que tal entrar no nosso grupo do Discord? Lá temos vários eventos, materiais de estudo e uma comunidade incrível esperando por você. É só clicar aqui!


Siga o Game Design Hub nas redes sociais!

98 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page